2 de dez de 2006

Andanças


Andanças

O carro corta a estrada
Janelas abertas
vento no rosto
me acerta

O verde se descortina
penetra a retina
descansa o olhar
do cinza na capital

O espaço revela
proximidade
de caminhos

Seguimos em busca
de descanso

Ir é tão bom
quanto chegar

(poema publicado no vol 4 de "poesia do Brasil", Proyecto Cultural Sur-Brasil, XIV Congresso Brasileiro de Poesia, p 105)

Nenhum comentário: