2 de dez de 2006

Opala

Opala

Janela aberta

noite estrelada
lua crescendo
cheia virará

Sob a janela
caminhando bela
vai seguindo a moça
com colar de pedras

Passa a bela moça
sob a luz da lua
vestindo veludo
segue pela rua

A lua crescendo
vendo-a triste e bela
reflete numa pedra
sua luz difusa

Ilumina a pedra
lapidada opala
A moça a recolhe
leva-a ao colo

Ao colar a prende
sente a opala fria,
brilha seu olhar
e vaidosa segue

Um comentário:

além mar peixe voador disse...

Lindíssimo poema Poeta Maria Angélica.
Parabéns, seu blog " Janela aberta " ao sonhos e olhares além
afetuoso abraço,
tua leitora e amiga
virgínia além mar