27 de mai de 2012

Olho do Furacão

Estou no olho do furacão
Estou no centro do redemoinho
Nem escolhi esse caminho!
Só por crer em outras ações
Só por não ver essa opção
por encontrar ondas no sertão?
Deixo-me ir no movimento
Não creio na associação
na lei que homens inventam
Creio nas leis da alma
Creio no olhar, na ação
formiga que leva grão e outro grão
Bilá Bernardes

Frio


Está oco, oco, oco
o coração
não há eco
que preencha o silêncio
a falta de cio
e o frio imenso
que congelou
a emoção
Bilá Bernardes

Fez-se Noite


Fez-se noite no movimento
e a madrugada tarda
em deixar o sol nascer
Parada, sem encontro de caminhos
deixo a Estrada, pego atalho
retorno à Vila, à lida de infância
Busco no aconchego materno
e até nos castigos incompreensíveis
o chão onde os pés possam pisar
Fez-se noite no movimento
e o sol espera
para nascer mais tarde
quando a paz chegar
Bilá Bernardes