9 de set de 2014

Homenagem a Nathan de Castro - poeta mineiro



Nathan de Castro Ferreira Júnior
 nasceu em 23 de janeiro de 1954, em Olhos d'Água, município de João Pinheiro-MG. Passou a infância e a adolescência na bela cidade mineira de Patrocínio. Foi para a capital paulista em 1969 e depois de três anos em São Paulo, regressou a Patrocínio e ingressou na carreira bancária em 1975, especializando-se em cursos de relações humanas, finanças e áreas bancárias, o que o levou a trabalhar em diversas cidades de Minas Gerais e Goiás. Atualmente, tem residência em Uberlândia/MG. 

Trabalhos Publicados: 
Painel Brasileiro de Novos Talentos nº 9 – Câmara Brasileira de Jovens Escritores
1ª Antologia Cantinho do Poeta – Câmara Brasileira de Jovens Escritores
diVersos – Antologia do Grupo Pax Poesis Encantada – Scortecci Editora
Seleção de Poetas Notívagos 2001 – Scortecci Editora.
Antologia II Prêmio Literário Livraria Asabeça – Scortecci Editora.
Antologia Poética @teneu.poesi@ - Scortecci Editora.
Sentença de Um Poeta – Livro individual – Blocos Editora, 2003. 
1001 Noites de Sonetos & Rabiscos - Livro individual - Scortecci Editora, 2005. ( Fonte:  Sonetos de Nathan de Castro).    

Um dos últimos poemas publicados por ele no Facebook:

Motivos

                              © Nathan de Castro
.
.
.
Nas noites de insônia, caminho pelos versos em busca
de um sonho.
O amor está ali, bem perto do próximo poema.
Parece real, mas… Carrega o silêncio das palavras,
a música da solidão e uma metáfora perdida
nas entrelinhas do tempo.
Tem uma Estrela que escreve os meus caminhos, e canto
de paixão quando chegam as luzes da madrugada.
Quando encontro o verso iluminado pela música
desse astro, penso em escrever silêncios, vazios e luares.
Caminho pelas linhas, em busca dos teus olhos.
O amor está ali, bem perto do último sorriso.
Parece real, mas…
Tem essa coisa de tempo! Muito tempo.
Anos e anos perdidos nos caminhos de invernadas.
Qual nada! Nada se perde quando plantamos e assistimos
o brotar da poesia!
Preciso aplaudir o verso e entregar o meu sorriso à solidão.
Palavras!
Já nem sei se é fogo, paixão ou somente essa coisa
que chamamos de Saudade!
Mas, bem lá no fundo eu sei… É somente mais um canto
poeta para saudar os vazios, e os mistérios...
Motivos bastantes para a revoada de novos poemas.

Para conhecer mais a obra do poeta:
BECO DOS POETAS
Germina Literatura



Nenhum comentário: